CURSO DE ELETRÔNICA BÁSICA, ANÁLISE DE CIRCUITOS E DIGITAL

CURSO DE ELETRÔNICA BÁSICA, ANÁLISE DE CIRCUITOS E DIGITAL

Artigos

Comparação entre as tecnologias SMD e Convencional

Pressionados em produzir PCI?s mais populadas, tamanho reduzido (miniaturizado) e com componentes fisicamente menores, o projeto e manufatura de produtos eletro-eletrônicos constantemente necessitam de maior eficiência. Esta condição técnica leva ao projeto e desenvolvimento de componentes menores e com maior número de funções.
A tendência de afirmação desta tecnologia vem acontecendo desde o início de 1970, época onde o custo inviabilizava o uso de SMD em algumas aplicações. Em contra partida, a aplicação desta tecnologia em produtos onde a miniaturização era essencial, ocorria com maior freqüência.
Entre 1975 e 1980, o processo de miniaturização se acentuou proporcionando ainda o aparecimento de componentes com maior número de funções. Neste período, o SMD se desenvolveu rapidamente e o processo de manuseio de componentes e materiais se estabeleceu. Desde o início de 1980 temos presenciado um crescimento exponencial nesta revolucionária tecnologia que ainda tem muito à expandir.
Para termos uma idéia deste crescimento, em 1984, o consumo de componentes eletrônicos era de 190 bilhões de unidades, no qual 50 bilhões eram SMD. No início da década de 90, já era entre 70 - 80%, o total produzido em SMD.
Os componentes SMD apresentam uma enorme variedade de circuitos integrados, semicondutores discretos e componentes passivos. Esta enorme abundância de oferta é uma atrativa alternativa para a substituição dos componentes convencionais. Por outro lado os componentes de tecnologia mais moderna somente são encontrados no formato SMD, o que forçou muitas empresas a migrarem para esta tecnologia.